Boas práticas na instalação dos módulos fotovoltaicos

Por

Por

Boas práticas na instalação dos módulos fotovoltaicos

As células fotovoltaicas são responsáveis pela captação de energia luminosa e conversão em energia elétrica. É a parte mais frágil de todo o sistema.

Com o objetivo de garantir maior resistência as células, estas são encapsuladas por EVA, vidros e também frames de alumínio nas bordas, formando assim o módulo fotovoltaico como conhecemos. Veja o artigo que fala sobre o módulo (https://fotusenergia.com.br/blog/2020/07/30/o-modulo-fotovoltaico).

Por se tratar de um produto que necessita de bastante cuidado na hora do manuseio o manual de instalação sempre deve ser lido e seguido para que tudo ocorra da forma mais segura e correta possível. Jamais dispense a  utilização de EPI’s e ferramentas adequadas.

Recebimento do produto

É imprescindível verificar a mercadoria no ato da entrega, caso algum item esteja faltando, a embalagem esteja violada, a caixa amassada ou rasgada, entre imediatimente em contato com o suporte e verifique como proceder. Em caso de qualquer anormalidade não assine o termo de aceite antes de falar conosco.

Para a abertura das embalagens e caixas é proibida a utilização de facas ou materiais cortantes, preservando assim os vidros e cabos. O manuseio dos módulos deve ser feito por no mínimo duas pessoas e sempre utilizando as duas mãos para prover maior segurança.

Armazenamento

Pallets de módulos podem ser empilhados em no máximo dois níveis. Os módulos despaletizados devem idealmente guardados na vertical com uma leve inclinação e o maior comprimento do módulo apoiado no chão. Lembre-se sempre de proteger o vidro e as bordas de pancadas e queda de objetos.

Instalação

Com o objetivo de não haver excesso de calor sobre o produto, deve haver espaço para a circulação de vento entre os módulos e a superfície em que está fixada (solo ou telhado). Sendo a distância mínima da superfície até o módulo de 110mm e entre módulos de 10mm, conforme mostrado na Figura 1.

 

Figura 1 – Distância correta entre módulo e telhado e entre módulos

Para que haja uma melhor fixação do módulo é necessário 4 pontos de fixação. Os grampos intermediários e finais devem ser colocados de forma simétrica para uma melhor distribuição da força e garantia de melhor ajuste.

Não existe um local exato para se colocar os grampos de fixação, porém a maioria dos fabricantes sugerem que estes devem ser localizados próximos a ¼ do comprimento da face onde será fixado, partindo das extremidades. Na figura 2, é possível ver o local ideal dos fixadores para um módulo da marca ZN-SHINE.

 

Figura 2 – Regiões ideias para os grampos fixadores.

Além de todos os cuidados necessários para o manuseio dos painéis é proibido subir no módulo. Infelizmente é comum ouvir que existem técnicas corretas para se apoiar no módulo. Entretanto o módulo foi projetado para reber cargas bem distribuidas.

Quando alguma força é exercida pontualmente sobre o módulo, pode-se gerar microfissuras nas células que são impossíveis de se detectar a olho nu. As microfissuras causam diminuição da eficiência do módulo e aquecimento da célula, devido ao aumento da resistência, além da degradação dos componentes isolantes.

Figura 3 – módulo com várias micro fraturas

Conexão elétrica

Os módulos podem ser ligados em série ou paralelo, chegando a valores de tensão e corrente bem elevados. Por isso, a instalação deve ser feita por um profissional capacitado, sempre utilizando os equipamentos de proteção e ferramentas adequadas.

A conexão dos módulos, stringbox e inversores é feita na grande maioria das vezes por meio de conectores do tipo MC4 e conforme a norma ABNT NBR 16690 os conectores de encaixe devem ser do mesmo tipo e do mesmo fabricante, ou seja, devem ser iguais.

 Figura 4 – Conector do tipo MC4.

Além de utilizar conectores compatíveis, a crimpagem do terminal é outro ponto que deve ter muita atenção, já que se trata de um dos motivos mais comuns de falhas em instalações fotovoltaicas. Quando a crimpagem é mal feita, a resistência do terminal tende aumentar, elevando a temperatura e consequentemente elevando a resistência, causando um efeito bola de neve que pode resultar no derretimento do conector. Por essa razão se faz necessário conhecer muito bem o material e o fabricante para ter certeza que o produto que está sendo comprado é seguro e confiável.

E aí, gostou do artigo?

Não se esqueça de compartilhar com seus amigos e caso tenha alguma dúvida, sugestão ou comentário entre em contato com a gente pelo e-mail suporte@fotusenergia.com.br

Autor: Antonio Drago

Revisão: Artur Kretli e Breno Taliule.